O jongo e o samba

O jongo influenciou decisivamente o nascimento do samba no Rio de Janeiro. No início do século 20 o jongo era o ritmo mais tocado no alto das primeiras favelas pelos fundadores das escolas de samba antes mesmo do samba nascer e se popularizar. Os antigos sambistas da velha guarda das escolas de samba realizavam rodas de jongo em suas casas. Nessas festas visitavam-se uns aos outros, recebendo também jongueiros do interior.

Os versos do partido-alto e do samba de terreiro são inventados na hora pelo improvisador. Esse canto de improviso nasceu das rodas de jongo. A umbigada, que na língua quimbundo se chama “semba”, originou o termo samba e também faz parte do samba primitivo. A “mpwita”, instrumento congo-angolano presente no jongo, é a avó africana das cuícas das baterias das escolas de samba.

O jongo, por ser uma festa de divertimento, mas com aspectos místicos, fez com que a dança se restringisse aos ambientes familiares. Por isso, ao contrário do samba, que logo conseguiu hegemonia nacional, acabou sendo pouco divulgado. O fato do jongo ser praticado apenas por idosos e proibido para os mais jovens foi outro fator que levou a dança a um processo acelerado de extinção.

  • acervo moradores da Serrinha
    acervo moradores da Serrinha
  • acervo moradores da Serrinha
    acervo moradores da Serrinha
  • Pedro Monteiro
    Pedro Monteiro
  • acervo moradores da Serrinha
    acervo moradores da Serrinha
  • acervo moradores da Serrinha
    acervo moradores da Serrinha
  • acervo moradores da Serrinha
    acervo moradores da Serrinha
  • acervo moradores da Serrinha
    acervo moradores da Serrinha
  • acervo moradores da Serrinha
    acervo moradores da Serrinha
  • acervo moradores da Serrinha
    acervo moradores da Serrinha
  • acervo moradores da Serrinha
    acervo moradores da Serrinha
  • acervo moradores da Serrinha
    acervo moradores da Serrinha
  • Mestre Fuleiro
    Mestre Fuleiro