ONG

O Grupo Cultural Jongo da Serrinha é uma organização social, com cerca de 50 anos, criada no bairro de Madureira, zona norte da cidade do Rio de Janeiro, que promove ações integradas entre cultura, arte, memória, desenvolvimento social, trabalho e renda. Há 13 anos se tornou oficialmente uma Associação Sem Fins Lucrativos e vem atuando em parceria com o poder público, privado e instituições internacionais para a promoção do jongo como patrimônio imaterial do sudeste e seus desdobramentos sociais para desenvolvimento humano.

MISSÃO

Sua principal missão institucional é preservar o jongo como Patrimônio Imaterial do Sudeste, tombado em 2005 pelo IPHAN como o primeiro da região. Seguindo sua missão, desenvolve ações em dois grandes eixos: educação, através da Escola de Jongo, e Cultura, pelo grupo musical Jongo da Serrinha. Os programas de trabalho acontecem de forma integrada e complementar e seus projetos estão ligados, direta ou indiretamente, ao desenvolvimento local do Morro da Serrinha e à preservação da memória do Jongo.

Screen Shot 2013-10-18 at 09.52.34

OBJETIVOS

Com a proposta da nova sede para 2014, a organização está buscando parceiros que desejam contribuir e promover o jongo no Brasil e no exterior visando assim preservar este Patrimônio.

Áreas de atuação onde buscamos parceiros:

– Promoção de shows de música no Brasil e exterior
– Venda de CD
– Venda de livros
– Curadoria de exposição de fotografia
– Capacitação da comunidade local em arte, música, idiomas, culinaria, costura para atuarem dentro da Escola de Jongo
– Capacitação como guia turistico de pessoas na comunidade
– Capacitação de idioma para os professores de arte, música, canto

Histórico

685546053_516781e51d_bO grupo Jongo da Serrinha foi criado por Mestre Darcy Monteiro e sua mãe, a famosa Vovó Maria Joana Rezadeira, no fim dos anos 60, para conter a extinção do jongo na cidade. Ambos criaram um grupo musical e transformaram a antiga dança de roda dos escravos, então praticada nos quintais da comunidade, num show que pudesse circular por diversas regiões. O Mestre Darcy do Jongo também quebrou “tabus” do jongo ensinado crianças a dançar e tocar, tradicionalmente permitido apenas aos mais velhos e incluiu instrumentos de harmonia na roda.Do convívio com crianças e jovens que participavam dos shows, houve um desejo do grupo de desenvolver um projeto sócio-educativo e de formação profissional na comunidade que valorizasse a cultura tradicional local e criasse alternativas de trabalho e renda. Assim, foi fundada, em 2000, a Associação Grupo Cultural Jongo da Serrinha e, em 2001, o projeto Escola de Jongo (EJ) que desde sua elaboração, obteve forte apoio de moradores, lideranças comunitárias, empresas, organizações da sociedade civil e orgãos governamentais.